terça-feira, setembro 12, 2006

mais história dentro da historia

Mais uma história…, no meio de tanta história.. daquelas histórias acerca de duas pessoas que se amam.., e como é de conhecimento comum,… se duas pessoas se amam, nunca poderão ser felizes (já dizia o Hemingway “se duas pessoas se amam uma à outra, não pode haver final feliz”)

Esta história é baseada em factos verídicos, verdade seja dita, nunca foi noticiada, nem adaptada para um filme, mas de qualquer modo, é uma história e todas as histórias têm o direito a um momento de fama, ainda que a fama passe somente por um blog reles que só amigos meus obrigados pela autora (eu) frequentam…

Mas essa histórias, a tal de duas pessoas que se amam e que consequentemente se separam, aconteceu, num presente actual, com pessoas que se cruzam diariamente connosco.

Foram felizes, disse-me ela, durante algum tempo, durante muito tempo até… estiveram juntos e juntos passaram por tanto…

Mas mudaram as coisas, mudaram os mundos, mudou a economia,…, mudou tudo… e eles também mudaram… ela mudou de olhar e ele mudou de casa e casou com outra…

Ainda lhe diz que a ama, ela ainda acredita.


E depois a pessimista sou eu… lololol

2 comentários:

Anónimo disse...

Pois bem minha querida parafraseando o poeta "o amor é uma merda" A primeira isto podera parecer uma frase digna do premio da frase masis pésimista do ano, ainda mais se tivermos em conta que foi dita em pleno verão. Mas se a analisarmos de forma objectiva de olhos abertos sem a miopia que é amar.
Sejemos objectivos o amor deixa nos incapacitados de olhos fechados e de mente enublada o mais estranho é que todos nos temos consciencia destes sintomas mas no entanto seguimos sorrindo, ou seja, tambem nos torna patetas.
Poderia continuar a sitar um sem numero de sintomas mas para que por mais aterradora que estes possam ser não vos convenceria a deixar de amar nem a mim mesmo consigo convencer. Pois esta merda do amor é pior que a gripe todos os anos é garantido, vais andar feito estupido a suspirar pelos cantos e não interessa quantas vezes já sofreste não há imunidade pra esta MERDA

Marisa Silva disse...

Venho, por este meio, manifestar o meu profundo desagrado pela desconsideração e desacreditação que consecutivamente é feita ao Amor. Sei que tem muitos defeitos, reconheço-o! É ludibriador, matreiro, astuto, manhoso, causa confusão cerebral (às vezes leva à doença) mas no fundo não há quem viva sem ele.

O coração palpita, os pensamentos rodopiam numa rotação transviada, leva a comportamentos desconcertados e errantes mas todos estes sintomas são a essência da vida. Não há quem nunca tivesse amado e quem (por acaso) não se encontra “in love” procura-o desesperadamente. Fica a interrogação: porquê?

Damos por nós a enxota-lo das nossas vidas como a um animal sarnento mas quanto mais o fazemos, mais agarradas ficamos. Riu-me ao escrever estas palavras pois estou-me a reconhecer nelas e identifico também muitas das minhas amigas. 

Nega-lo para quê? É o AMOR.